Bula do TECENTRIQ

Produtos Roche Químicos E Farmacêuticos S.a.

Qual a composição TECENTRIQ?

Cada frasco-ampola de dose única com 20 mL contém
Princípio ativo: atezolizumabe.. 1200 mg (60 mg/mL).
Excipientes: histidina, ácido acético, sacarose, polissorbato 20 e água para injetáveis.

Para que TECENTRIQ é indicado?

Carcinoma urotelial
Tecentriq® é indicado para o tratamento de pacientes adultos com carcinoma urotelial (um tipo de câncer de bexiga e das vias urinárias) localmente avançado (quando a cirurgia não é possível) ou metastático (que se espalhou para outro local do corpo):
- Após terem recebido um tratamento anterior de quimioterapia à base de platina; ou
- Que não puderem utilizar tratamento com o quimioterápico cisplatina e que tenham tumores com expressão de PD-L1 = 5%.

Câncer de pulmão de não pequenas células
Tecentriq®, em combinação com bevacizumabe, paclitaxel e carboplatina, é indicado para o tratamento de primeira linha de pacientes adultos com câncer de pulmão de não pequenas células (CPNPC – um tipo de câncer de pulmão) não escamoso metastático (que se espalhou para outro local do corpo). Em pacientes com CPNPC EGFR mutado ou ALK positivos, Tecentriq® em combinação com bevacizumabe, paclitaxel ou carboplatina, é indicado apenas após falha das terapias alvo apropriadas.

Tecentriq®, em combinação com nab-paclitaxel e carboplatina, é indicado para o tratamento de primeira linha de pacientes adultos com câncer de pulmão de não-pequenas células (CPNPC – um tipo de câncer de pulmão) não escamoso metastático (que se espalhou para outro local do corpo), que não apresentam mutações ativadoras do EGFR ou mutações do tumor positivas para ALK.

Tecentriq® é indicado para o tratamento de pacientes adultos com CPNPC localmente avançado (quando a cirurgia não é possível) ou metastático após terem recebido um tratamento anterior de quimioterapia. Pacientes com CPNPC EGFR mutado ou ALK positivos devem ter recebido terapias alvo para essas alterações antes de serem tratados com Tecentriq®.

Câncer de pulmão de pequenas células
Tecentriq®, em combinação com carboplatina e etoposídeo, é indicado para o tratamento de primeira linha de pacientes adultos com câncer de pulmão de pequenas células (CPPC – um tipo de câncer de pulmão) em estádio extensivo (presente nos dois pulmões ou em outras partes do corpo).

Como TECENTRIQ funciona?

O PD-L1 é uma substância produzida pelo tumor e pelas células imunes infiltradas no tumor, e é responsável por impedir que o sistema imunológico (de defesa) do corpo reconheça o tumor como uma ameaça.

Tecentriq® contém a substância ativa atezolizumabe que bloqueia o PD-L1, reativando o sistema imunológico, que passa então a atacar e destruir as células do câncer.

Quando não devo usar TECENTRIQ?

Você não poderá utilizar Tecentriq® se tiver alergia ao princípio ativo (atezolizumabe) ou a qualquer componente do medicamento.

O que devo saber antes de usar TECENTRIQ?

Gerais

Antes de utilizar Tecentriq®, informe seu médico se você:
• Tem doença autoimune (condição em que o corpo ataca suas próprias células).
• Foi dito que seu câncer se espalhou para seu cérebro.
• Tem qualquer histórico de inflamação em seus pulmões (chamada pneumonite).
• Tem ou teve infecção viral crônica do fígado, incluindo hepatite B ou hepatite C.
• Tem infecção pelo vírus HIV (vírus da imunodeficiência humana) ou AIDS (síndrome da imunodeficiência adquirida).
• Teve sérios efeitos colaterais devido a outras terapias de anticorpos que ajudam seu sistema imunológico a lutar contra o câncer.
• Utilizou medicamentos para estimular seu sistema imunológico.
• Utilizou medicamentos para suprimir o sistema imunológico.
• Utilizou alguma vacina viva e atenuada.

Durante e após o tratamento com Tecentriq®, informe imediatamente seu médico, se você apresentar alguma das condições abaixo:

• Pneumonite (inflamação nos pulmões) relacionada ao sistema imune: sinais ou sintomas incluem falta de ar, dificuldade para respirar, respiração curta, aperto no peito, cansaço, tosse, febre, calafrios ou outros sintomas inesperados.
• Hepatite (inflamação do fígado) relacionada ao sistema imune: sinais ou sintomas incluem dor abdominal, náuseas, vômitos, amarelamento da pele ou dos olhos, sangramento ou hematomas ou outros sintomas inesperados.
• Colite (inflamação do intestino grosso) relacionada ao sistema imune: sinais ou sintomas incluem diarreia, aumento da frequência das evacuações, dor abdominal, sangue ou muco nas fezes ou outros sintomas inesperados.
• Endocrinopatias (doenças do sistema que regula os hormônios) relacionada ao sistema imune: hipotireoidismo e hipertireoidismo (alterações na glândula tireoide), insuficiência adrenal (alteração na glândula adrenal), hipofisite (inflamação em uma pequena glândula, localizada no centro do cérebro) e diabetes mellitus tipo 1, incluindo cetoacidose diabética. Os sinais ou sintomas clínicos incluem ganho ou perda de peso inesperada, tremores, sudorese em excesso, irregularidade no ciclo menstrual, frequência cardíaca irregular, batimentos cardíacos acelerados ou diminuídos, cansaço, sonolência excessiva, pressão baixa, mudança no humor, perda de cabelo, constipação, tontura, dor de cabeça, mudanças na visão, aumento do apetite, sede excessiva ou aumento na produção de urina ou outros sintomas inesperados.
• Meningoencefalite (inflamação das meninges, membranas que revestem o cérebro, e do encéfalo)relacionada ao sistema imune: sinais ou sintomas incluem febre, calafrio, dor de cabeça intensa, rigidez na nuca, náuseas, vômitos, sensibilidade ocular à luz aumentada, confusão, fraqueza, sonolência, convulsões ou outros sintomas inesperados.
• Neuropatias (doenças do sistema nervoso) relacionada ao sistema imune: síndrome miastênica/miastenia gravis (enfraquecimento dos músculos voluntários) ou síndrome de Guillain-Barré (paralisia neurológica progressiva, reversível em geral). Os sintomas incluem fraqueza ou dormência muscular, queda de uma ou ambas as pálpebras, fraqueza nos músculos oculares, visão dupla, dificuldade para engolir, dificuldade para caminhar, movimentos descoordenados, diminuição dos reflexos, formigamento das mãos e dos pés ou outros sintomas inesperados.
Pancreatite (inflamação do pâncreas) relacionada ao sistema imune: os sintomas incluem dor na parte superior do abdômen, que pode irradiar para as costas e piorar após alimentação, náuseas, vômitos, distensão do abdômen ou outros sintomas inesperados.
• Miocardite (inflamação do músculo do coração) relacionada ao sistema imune: sintomas incluem falta de ar, diminuição na tolerância ao exercício, cansaço, dor no peito, inchaço nos tornozelos e pernas, batimentos cardíacos irregulares e desmaios.
• Nefrite (inflamação dos rins) relacionada ao sistema imune: sintomas podem incluir alterações no volume e na cor da urina, dor pélvica, inchaço corporal e pode levar à insuficiência dos rins.
• Miosite (inflamação dos músculos) relacionada ao sistema imune: sintomas podem incluir problemas para se levantar quando está sentado, quedas e sensação de cansaço.
• Reações relacionadas à infusão do medicamento: sintomas incluem erupção, prurido, taquicardia, falta de ar, náuseas, vômitos, inchaço, febre, calafrio e rubor.

• Outras reações adversas imunomediadas: sintomas podem incluir dermatite bolhosa (reação inflamatória da pele que se manifesta em forma de bolhas), penfigóide (grupo de doenças autoimunes raras caracterizadas por bolhas), eritema multiforme (lesões de pele em forma de alvo), síndrome de Stevens Johnson (SSJ) / necrólise epidérmica tóxica, síndrome de resposta inflamatória sistêmica, linfadenite necrosante histiocitária (gânglios linfáticos com tamanho, número ou consistência anormal e febre), anemia hemolítica autoimune (anemia que ocorre quando o sistema imunológico do corpo ataca e destrói os glóbulos vermelhos do sangue), púrpura trombocitopênica imunológica (níveis baixos de células sanguíneas que previnem o sangramento), miosite (inflamação nos músculos), rabdomiólise (síndrome de destruição do músculo esquelético), síndrome de Guillain-Barré (paralisia neurológica progressiva, reversível em geral), síndrome miastenia / miastenia gravis (enfraquecimento dos músculos voluntários), desmielinização (dano da bainha de mielina dos neurônios), meningoencefalite (inflamação das meninges, membranas que revestem o cérebro, e do encéfalo) relacionada ao sistema imunológico, meningite asséptica, encefalite (inflamação do cérebro), paresia (interrupção dos movimentos) do nervo facial e abducente, polimialgia reumática (rigidez e dor no pescoço, ombros e quadris), neuropatia autoimune e síndrome de Vogt-Koyanagi-Harada (doença autoimune que afeta tecidos com melanina), doença inflamatória nos olhos (uveíte e irite), síndrome nefrótica, nefrite (inflamação dos rins) e vasculite (inflamação da parede dos vasos sanguíneos).
• Infecções: sintomas podem incluir febre, dores musculares, diarreia.
• Uso de Tecentriq® em combinação com bevacizumabe, paclitaxel e carboplatina: hemorragia pulmonar fatal é um fator de risco conhecido do tratamento com bevacizumabe. Seu médico analisará a localização do tumor e o estado das lesões pulmonares para avaliar seu tratamento, assim como os riscos devido ao tratamento combinado dos quatro medicamentos (atezolizumabe, bevacizumabe, paclitaxel e carboplatina).
• Uso de Tecentriq® em combinação com nab-paclitaxel em câncer de mama triplo negativo
A neutropenia (baixa quantidade de glóbulos brancos no sangue) e neuropatias periféricas (doenças do sistema nervoso) que ocorrem durante o tratamento com atezolizumabe e nab-paclitaxel podem ser reversíveis com interrupções do nab-paclitaxel, seu médico avaliará as precauções e advertências desse medicamento.

Procure seu médico em qualquer uma das condições acima, pois pode haver necessidade de alterações em seu tratamento. Não utilize outros medicamentos sem o consentimento do seu médico.

Gravidez e amamentação
Este medicamento não deve ser utilizado por mulheres grávidas sem orientação médica ou do cirurgião-dentista.
Não há dados sobre o uso de Tecentriq® em gestantes. Tecentriq® não é recomendado durante a gravidez a menos que o potencial benefício para a mãe supere o potencial risco ao feto.
Se você estiver grávida, informe ao seu médico antes de iniciar o tratamento com Tecentriq®. Mulheres com possibilidade de engravidar devem utilizar contracepção altamente eficaz e tomar medidas ativas para evitar a gravidez durante o tratamento com Tecentriq® e por, pelo menos, 5 meses depois da última dose.
Se você engravidar durante o tratamento com Tecentriq®, avise seu médico imediatamente.

Amamentação
Não se sabe se Tecentriq® é excretado no leite humano. Como o potencial de dano para a criança amamentada não é conhecido, pergunte ao seu médico se você deve parar o aleitamento materno ou descontinuar a terapia com Tecentriq®.
Uso em crianças, idosos e pacientes com insuficiência dos rins e fígado: vide item “Como devo usar este medicamento”.

Atenção: Este medicamento contém Açúcar, portanto, deve ser usado com cautela em portadores de Diabetes.

Efeitos sobre a capacidade de dirigir veículos ou operar máquinas
Tecentriq® tem pouca influência na sua capacidade de dirigir e usar máquinas, mas se você se sentir cansado, não dirija veículos e não use máquinas até se sentir melhor.

Interações medicamentosas
Não foram conduzidos estudos formais de interação entre drogas com atezolizumabe.

Até o momento, não há informações de que atezolizumabe possa causar doping. Em caso de dúvida, consulte o seu médico.

Informe ao seu médico ou cirurgião-dentista se você está fazendo uso de algum outro medicamento.

Não use medicamento sem o conhecimento do seu médico. Pode ser perigoso para a sua saúde.

Onde, como e por quanto tempo posso guardar TECENTRIQ?

Frasco-ampola
Antes de aberto, Tecentriq® deve ser armazenado sob refrigeração em temperatura de 2 a 8 °C. O produto deve ser mantido na embalagem original, de forma a protegê-lo da luz.
NÃO CONGELAR. NÃO AGITAR.

O profissional da saúde saberá como armazenar a solução diluída para infusão contendo Tecentriq®.

Número de lote e datas de fabricação e validade: vide embalagem.

Não use medicamento com o prazo de validade vencido. Guarde-o em sua embalagem original.

Tecentriq® em seu frasco-ampola original é uma solução estéril, incolor ou de coloração levemente amarelada.

Antes de usar, observe o aspecto do medicamento. Caso ele esteja no prazo de validade e você observe alguma mudança no aspecto, consulte o farmacêutico para saber se poderá utilizá-lo.

Todo medicamento deve ser mantido fora do alcance das crianças.

Descarte de medicamentos não utilizados e / ou com data de validade vencida
O descarte de medicamentos no meio ambiente deve ser minimizado. Os medicamentos não devem ser descartados no esgoto, e o descarte em lixo doméstico deve ser evitado. Utilize o sistema de coleta local estabelecido, se disponível.

Como devo usar TECENTRIQ?

O profissional de saúde saberá como preparar o medicamento.
Tecentriq® deve ser administrado em infusão intravenosa sob a supervisão de um profissional de saúde qualificado.

Teste de PD-L1 para pacientes com carcinoma urotelial
Pacientes com carcinoma urotelial não tratados previamente devem ser selecionados para tratamento com base na expressão tumoral de PD-L1 confirmada por teste validado.

Posologia
A dose inicial de Tecentriq® deve ser administrada durante 60 minutos. Se a primeira infusão for tolerada, todas as infusões subsequentes podem ser administradas durante 30 minutos.

Tecentriq® em monoterapia
A dose recomendada é de 1.200 mg administrados por infusão intravenosa a cada três semanas.

Tecentriq® em terapia combinada
Consulte também as informações descritas na bula do medicamento utilizado em combinação.

Primeira linha de tratamento para câncer de pulmão de não pequenas células
Tecentriq® em combinação com bevacizumabe, paclitaxel e carboplatina
Durante a fase de indução, a dose recomendada de Tecentriq® é de 1.200 mg, administradas por infusão intravenosa, seguido por bevacizumabe, paclitaxel e, depois, carboplatina a cada três semanas durante quatro ou seis ciclos.

A fase de indução é seguida por uma fase de manutenção sem quimioterapia, na qual 1.200 mg de Tecentriq®, seguido por bevacizumabe, são administrados por infusão intravenosa a cada três semanas.

Tecentriq® em combinação com nab-paclitaxel e carboplatina
Durante a fase de indução, a dose recomendada de Tecentriq® é de 1.200 mg, administradas por infusão intravenosa, seguido por nab-paclitaxel e carboplatina a cada três semanas durante quatro ou seis ciclos. A cada ciclo de 21 dias, Tecentriq®, nab-paclitaxel e carboplatina são administrados no dia 1. Adicionalmente, nab-paclitaxel é administrado nos dias 8 e 15.

A fase de indução é seguida por uma fase de manutenção sem quimioterapia, na qual 1.200 mg de Tecentriq® são administrados por infusão intravenosa a cada três semanas.

Primeira linha de tratamento para câncer de pulmão de pequenas células
Tecentriq® em combinação com carboplatina e etoposídeo
Durante a fase de indução, a dose recomendada de Tecentriq® é de 1.200 mg administrados por infusão intravenosa seguida por carboplatina e, depois, etoposídeo administrado por infusão intravenosa no dia 1. Etoposídeo também é administrado por infusão intravenosa nos dias 2 e 3. Esse regime deve ser administrado a cada 3 semanas por 4 ciclos.

A fase de indução é seguida pela fase de manutenção sem quimioterapia, quando 1.200 mg de Tecentriq® são administrados por infusão intravenosa a cada três semanas.

Duração do tratamento
Os pacientes são tratados com Tecentriq® até a perda do benefício clínico ou toxicidade não manejável.
Seu médico avaliará o tratamento além da progressão da doença caso você tenha recebido Tecentriq® em combinação com carboplatina e nab-paclitaxel para o tratamento de primeira linha de câncer de pulmão de não-pequenas células (CPNPC) não escamoso metastático.

Modificações de dose
Não é recomendada nenhuma redução de dose de Tecentriq®.
Informe seu médico se você tiver alguma reação adversa durante ou após a infusão de Tecentriq®, principalmente algum dos sintomas descritos no item “O que devo saber antes de usar este medicamento? ”, pois seu médico avaliará a necessidade de alterações em seu tratamento.

Instruções de dosagens especiais
Crianças
A segurança e a eficácia de Tecentriq® em crianças e adolescentes abaixo de 18 anos de idade não foram estabelecidas.

Idosos
Não é necessário nenhum ajuste de dose de Tecentriq® em pacientes com = 65 anos de idade.

Pacientes asiáticos
Devido ao aumento da toxicidade hematológica (no sangue) observada em pacientes asiáticos que foram tratados na 1ª linha de CPNPC não escamoso no estudo clínico denominado IMpower150, é recomendado que a dose inicial de paclitaxel seja de 175 mg/m2 a cada três semanas.

Pacientes com insuficiência dos rins
Não é necessário nenhum ajuste de dose em pacientes com insuficiência dos rins leve ou moderada, não existem dados em pacientes com insuficiência dos rins grave.

Pacientes com insuficiência do fígado
Não é necessário nenhum ajuste de dose para pacientes com insuficiência do fígado leve. Não existem dados em pacientes com insuficiência do fígado moderada ou grave.

Siga a orientação de seu médico, respeitando sempre os horários, as doses e a duração do tratamento.
Não interrompa o tratamento sem o conhecimento do seu médico.

O que devo fazer quando eu me esquecer de usar TECENTRIQ?

Se uma dose planejada de Tecentriq® for perdida, ela deve ser administrada o mais rapidamente possível. O esquema de administração deve ser ajustado para manter um intervalo de 3 semanas entre as doses.
Seu médico saberá quando deverá ser aplicada a próxima dose de Tecentriq®.
Em caso de dúvidas, procure orientação do farmacêutico ou de seu médico, ou cirurgião-dentista.

Quais os males que TECENTRIQ pode causar?

Estudos clínicos

Tecentriq® em monoterapia
A segurança de Tecentriq® em monoterapia é baseada em dados agrupados de 3.178 pacientes com diversos tipos de tumores. As reações adversas mais comuns (> 10%) foram fadiga (35,9%), diminuição do apetite (25,5%), náuseas (23,5%), tosse (20,8%), dispneia (20,5%), pirexia (20,1%), diarreia (19,7%), erupção cutânea (19,5%), dor musculoesquelética (15,4%), dor nas costas (15,3%), vômitos (15,0%), astenia (14,5%), artralgia (13,9%), prurido (12,6%) e infecção do trato urinário (11,6%).
A seguir estão as reações adversas que foram reportadas em associação com o uso de Tecentriq® em monoterapia.

Reação muito comum (ocorre em mais de 10% dos pacientes que utilizam este medicamento)
Infecções e infestações: infecções do trato urinário.
Distúrbios gastrintestinais: diarreia, náusea, vômito.
Distúrbios gerais e do local de administração: fadiga, astenia (fraqueza, falta de ânimo), febre.
Distúrbios do metabolismo e da nutrição: apetite reduzido.
Distúrbios musculoesqueléticos e do tecido conectivo: artralgia (dor em articulações), dor nas costas e dor musculoesquelética (dor em ossos e musculatura).
Distúrbios respiratórios, torácicos e mediastinais: tosse, dispneia (falta de ar).
Distúrbios da pele e do tecido subcutâneo: erupção na pele, prurido (coceira).

Reação comum (ocorre entre 1% e 10% dos pacientes que utilizam este medicamento)
Distúrbios do sangue e do sistema linfático: trombocitopenia (baixo número de plaquetas).
Distúrbios endócrinos: hipotireoidismo (diminuição da produção dos hormônios da tireoide).
Distúrbios gastrintestinais: disfagia (dificuldade de engolir), colite (inflamação do intestino), dor abdominal e dor orofaríngea.
Distúrbios gerais e do local de administração: calafrio, doença com sintomas gripais.
Distúrbios hepatobiliares: aumento de ALT (enzima do fígado), aumento de AST (enzima do fígado), hepatite (inflamação do fígado).
Distúrbios do sistema imunológico: reação relacionada à infusão (hipersensibilidade).
Distúrbios do metabolismo e da nutrição: hipocalemia (deficiência de potássio), hiponatremia (deficiência de sódio) e hiperglicemia (aumento de glicose no sangue).
Distúrbios respiratórios, torácicos e mediastinais: hipoxia (falta de oxigênio no organismo), congestão nasal, pneumonite (inflamação nos pulmões), nasofaringite.
Distúrbios vasculares: hipotensão (pressão baixa).

Reação incomum (ocorre entre 0,1% e 1% dos pacientes que utilizam este medicamento)
Distúrbios endócrinos: hipertireoidismo (aumento da produção dos hormônios da tireoide), insuficiência adrenal, diabetes mellitus.
Distúrbios gastrintestinais: pancreatite (inflamação do pâncreas).
Distúrbios do sistema nervoso: síndrome de Guillain-Barré (paralisia neurológica progressiva, reversível em geral), meningoencefalite (inflamação do cérebro e das meninges).
Distúrbios musculoesqueléticos e do tecido conectivo: miosite.

Reação rara (ocorre entre 0,01% e 0,1% dos pacientes que utilizam este medicamento)
Distúrbios do sistema nervoso: síndrome miastênica (perda de força muscular progressiva).
Distúrbios endócrinos: hipofisite (inflamação em uma pequena glândula, localizada no centro do cérebro).
Distúrbios renais e urinários: nefrite (inflamação dos rins).
Distúrbios cardíacos: miocardite

Tecentriq® em combinação

A segurança do atezolizumabe administrado em combinação com outros medicamentos foi avaliada em 3.878 pacientes em vários tipos de tumores. As reações adversas mais frequentes (= 20%) foram anemia (40,3%), neutropenia (39,4%), náusea (37,3%), fadiga (34,4%), alopecia (29,6%), trombocitopenia (28,9%), diarreia (28,1%), erupção cutânea (27,8%), constipação (27,2%), neuropatia periférica (25,7%) e diminuição do apetite (25,5%). A segurança de Tecentriq® em combinação com nab-paclitaxel está baseada nos dados de 452 pacientes com câncer de mama triplo negativo localmente avançado irresecável ou metastático. As reações adversas mais frequentes (= 20%) em pacientes tratados com Tecentriq® em associação com nab-paclitaxel foram alopecia (56%), neuropatias periféricas (47%), fadiga (47%), náuseas (46%), diarreia (33 %), anemia (28%), constipação (25%), tosse (25%), cefaleia (23%), neutropenia (21%), vômitos (20%) e diminuição do apetite (20%). As reações adversas mais comuns de Grau 3 - 4 que ocorreram em = 2% foram neutropenia (8%), neuropatias periféricas (9%), contagem de neutrófilos diminuída (4,6%), fadiga (4%), anemia (2,9%), hipocalemia (2,2%), pneumonia (2,2%) e aumento da taxa de aspartato aminotransferase (2,0%). As reações adversas que levaram à descontinuação do tratamento com o Tecentriq® ocorreram em 6% (29/452) dos pacientes no braço do estudo tratado Tecentriq® e nab-paclitaxel. A reação adversa mais comum que levou à descontinuação do Tecentriq® foi a neuropatia periférica (< 1%). As reações adversas fatais ocorreram em 1,3% (6/452) dos pacientes no braço tratado com Tecentriq® e nab-paclitaxel; estes incluíram choque séptico, inflamação da mucosa, hepatite autoimune, aspiração, pneumonia, embolia pulmonar. Reações adversas que levaram à interrupção do Tecentriq® ocorreram em 31% dos pacientes; os mais comuns (= 2%) foram neutropenia, contagem de neutrófilos diminuída, hipertireoidismo e pirexia. Reações adversas graves ocorreram em 23% (103/452) dos pacientes. As reações adversas mais frequentes foram pneumonia (2%), infecção do trato urinário (1%), dispneia (1%) e pirexia (1%). Reações adversas de origem imunogênica, que requereram terapêutica sistêmica com corticosteroides ocorreram em 13% (59/452) dos pacientes no braço tratado com Tecentriq® e ao nab-paclitaxel.

A seguir estão descritas as reações adversas ao medicamento (RAMs) adicionais associadas ao uso de Tecentriq® em combinação e as RAMs com diferença clinicamente relevante quando comparadas à monoterapia.

Reação muito comum (ocorre em mais de 10% dos pacientes que utilizam este medicamento)
Infecções e infestações: infecção pulmonar
Distúrbios do sangue e do sistema linfático: anemia, trombocitopenia (baixo número de plaquetas no sangue), neutropenia (baixa quantidade de neutrófilos no sangue) e leucopenia (baixo número de glóbulos brancos no sangue).
Distúrbios do sistema nervoso: neuropatia periférica (lesão de nervo periférico), tontura e dor de cabeça.
Distúrbios endócrinos: hipotireoidismo (diminuição da produção dos hormônios da tireoide).
Distúrbios gastrintestinais: náusea (enjoo), diarreia, constipação (dificuldade para evacuar) e vômito.
Distúrbios vasculares: hipertensão (pressão alta).
Distúrbios respiratórios, torácicos e mediastinais: tosse e dispneia (falta de ar).
Distúrbios nutricionais e do metabolismo: apetite reduzido, hipomagnesemia (deficiência de magnésio).
Distúrbios na pele e tecido subcutâneo: erupção cutânea, prurido (coceira), alopecia (perda de cabelo).
Distúrbios musculoesqueléticos e do tecido conectivo: artralgia (dor em articulações), dor musculoesquelética (dor em ossos e musculatura) e dor nas costas.
Distúrbios gerais e do local da administração: pirexia (febre), fadiga e astenia (fraqueza, falta de ânimo).

Reação comum (ocorre entre 1% e 10% dos pacientes que utilizam este medicamento)
Infecções e infestações: aumento de fosfatase alcalina no sangue (enzima que retrata a função do fígado e das vias biliares), aumento de creatinina no sangue (enzima que retrata a função dos rins).
Distúrbios do sistema nervoso: desmaio
Distúrbios endócrinos: hipertireoidismo (aumento da produção dos hormônios da tireoide).Distúrbios nutricionais e do metabolismo: hipocalemia (deficiência de potássio) e hiponatremia (deficiência de sódio).
Distúrbios gastrintestinais: disgeusia (diminuição do paladar) e estomatite (inflamação na mucosa oral)
Distúrbios respiratórios, torácicos e mediastinais: disfonia (alteração da voz).
Distúrbios do sangue e do sistema linfático: linfopenia (diminuição na contagem de linfócitos).
Distúrbios hepatobiliares: aumento de ALT (enzima do fígado) e aumento de AST (enzima do fígado).
Distúrbios renais e urinários: proteinúria (presença de proteínas na urina).

Uso de atezolizumabe em combinação com bevacizumabe, paclitaxel e carboplatina
Conforme dados do estudo denominado IMpower150 uma frequência maior de eventos adversos foi observada no tratamento contendo os quatro medicamentos atezolizumabe, bevacizumabe, paclitaxel e carboplatina comparado com atezolizumabe, paclitaxel e carboplatina, incluindo eventos de Graus 3 e 4, eventos Grau 5 e eventos adversos de interesse especial para atezolizumabe. Náusea (enjoo), diarreia, estomatite (inflamação na mucosa oral), fadiga (cansaço), pirexia (febre), inflamação das mucosas, diminuição do apetite, redução de peso, hipertensão (aumento da pressão) e proteinúria foram reportados como superiores em pacientes que receberam atezolizumabe em combinação com bevacizumabe, paclitaxel e carboplatina. Outros eventos adversos clinicamente significantes que foram observados mais frequentemente na terapia com atezolizumabe, bevacizumabe, paclitaxel e carboplatina foram epistaxe (sangramento do nariz), hemoptise (expectoração com presença de sangue), acidente cerebrovascular, incluindo eventos fatais.

Pacientes idosos: Nenhuma diferença geral na segurança ou na eficácia foi observada entre pacientes com 65 anos de idade ou mais e pacientes mais jovens. Em pacientes com idade de 65 anos ou mais, há um maior risco de desenvolvimento de reações adversas se receberem atezolizumabe em combinação com bevacizumabe, carboplatina e paclitaxel. Dados de segurança e eficácia para pacientes = 75 anos de idade são muito limitados para tirar conclusões nessa população.

Atenção: este produto é um medicamento novo e, embora as pesquisas tenham indicado eficácia e segurança aceitáveis, mesmo que indicado e utilizado corretamente, podem ocorrer eventos adversos imprevisíveis ou desconhecidos. Nesse caso, informe seu médico ou cirurgião-dentista.

O que fazer se alguém usar uma quantidade maior que a indicada para TECENTRIQ?

Em caso de uso de grande quantidade deste medicamento, procure rapidamente socorro médico e leve a embalagem ou bula do medicamento, se possível. Ligue para 0800 722 6001, se você precisar de mais orientações.

Cadastre-se e receba nossas novidades por e-mail